livro
 
poesias
     + poesias
 
contos
     + contos
 
frases
 
diversos
     + diversos
 

FOI ASSIM

História de criança de rua,
anônima e ignorada.


            Todas as cenas, aquelas cotidianas, ou não, revelam o sentido da vida. Muitas vezes a esperança frustrada de dias felizes.

            Tentamos por vezes, até penetrar no pensamento de alguém que vemos ou que passa, ou ainda, que imaginamos. Veja por exemplo, aquele garoto ali, maltrapilho, sujo e descalço. Deve ter fome. Anda solto e só, no borborinho das ruas apinhadas da cidade grande. Tanta gente, mas ninguém o nota. O povo o ignora, até o evita. Ele sabe que não tem significado na vida dos outros. Ele é um nada, ele não existe para o mundo. Sente-se perdido e abandonado.

            Falta-lhe o carinho de sua casa que abandonou, fugindo aos castigos impostos, e, outros maus tratos. Não tinha lá, nada mesmo. Agora percebe que onde sofria seu corpo, tinha um refúgio, às vezes tinha até paz, tranqüilidade.

            Entre o pior e o menos ruim seu pensamento lerdo não percebeu o bem que ali estava, ali onde era alguém, onde às vezes havia consolo.

            Com o corpo castigado partiu. Seu mundo resumia-se agora em seu próprio pensamento. Era tudo que tinha. Nada. Longe de casa, do calor de um lar.

            Olhava à sua volta, procurando amparo, que não sabia de onde poderia vir. Sentia-se absorto pelos luminosos e pelo vozerio. Aumentava-lhe no cérebro o barulho da multidão, dos carros, dos anunciantes. Os luminosos piscando, os carros em velocidade. Sentiu-se perdido, estava zonzo. A vertigem bateu-lhe na cabeça.

            Assustado passou a correr sem rumo, a procura de um porto seguro que não sabia existir. Atravessou ruas, esbarrou em pessoas. Tentaram segura-lo. Teve mais medo. Ouviu o apito de um guarda seguido de um longo chiado no asfalto. Sentiu a pancada em todo o corpo, como se aquela confusão desabasse toda sobre ele.

            As luzes se apagaram. As vozes foram sumindo. Percebeu em pensamento, a imagem de sua mãe que o olhava tristemente.

            Tudo foi se afastando.

            Estava em paz.


1960

 

página inicial | biografia | obras | escritos | contato
© Todos os direitos reservados | depas@depas.com.br